terça-feira, 13 de julho de 2010

“CHAGA ABERTA” Marcos Sergio T. Lopes






“CHAGA ABERTA”

No embate que se debate
Rouba meu sossego
Deixando-me totalmente inquieto
Na humilhação que me afunda
Desnudando-me e rasgando meu ser
E eu fujo numa loucura arraigada
Para esquecer a brasa que se apaga.
Resta-me uma distancia que nunca se finda
Uma lamina que penetra no peito
Rasgando sem mais e nem porquês
Deixando totalmente dilacerada as minhas entranhas.
E eu me arrasto diante desse nada que restou
Tentando esquecer que hoje estou numa margem
E você num lado oposto
Em palavras afogadas em tantos silêncios
Deixando-nos quase mortos.
Apagou o brilho do olhar
Diante das mãos tão nuas
E os lábios tão secos.
Ficamos assim; tão sem “nós”
Numa solidão que nos aparta
E debocha dessa falta de calor que agora existe
E persiste em ficar entre nós.
Tanto nada nesse agora
Alagando os teus e os meus olhos
E o fogo se apagando vagarosamente
Numa tortura onde eu te esqueço em outros braços
E você se põe nua diante de um desconhecido
E tudo sangrando na dor sem conserto
Que arrasa o teu e o meu ser.
Fica esse rasgo entre nós
Uma ferida sem cura e tão dolorida
Só isso... E mais nada!

Marcos Sergio T. Lopes – 02/04/2008

Um comentário:

Ruth Gentil Sivieri disse...

Marcos,
Maravilhoso, triste e real o seu poema. Se pudesse dar nota, daria 10 com louvor, destacando os versos:"Resta-me uma distancia que nunca se finda
Uma lamina que penetra no peito
Rasgando sem mais e nem porquês
Deixando totalmente dilacerada as minhas entranhas.
E eu me arrasto diante desse nada que restou
Tentando esquecer que hoje estou numa margem
E você num lado oposto"
Indescritível beleza, poeta!
Parabéns e abraços

Free JavaScripts provided
by The JavaScript Source

Versejar

Minha foto
Brazil
Biografia Águida Hettwer Nasceu em 31 de março de 1974 na cidade de Horizontina no Rio Grande do Sul. Mora atualmente em Sapiranga/RS. Dedica-se às letras e as Artes no seu contexto amplo, desde muito jovem. Aprecia a simplicidade, a natureza, animais de estimação, Antiguidades e seu legado na história. Acadêmica de psicologia Feevale-RS. Faz da escrita uma terapia.